Marca do Crea-AC para impressão
Disponível em <https://creaac.org.br/valorizacao-das-entidades-e-prioridade-da-conselheira-andrea-brondani-da-rocha/>.
Acesso em 21/09/2023 às 21h59.

Valorização das entidades é prioridade da conselheira Andréa Brondani da Rocha

1 de março de 2021, às 19h18 - Tempo de leitura aproximado: 5 minutos

Nascida em Santa Maria (RS), a conselheira federal Andréa Brondani da Rocha se formou engenheira agrônoma na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1994. Com mestrado em Fitotecnia (UFRS) e doutorado em Fisiologia e Bioquímica Vegetal pela Unicamp (SP), Brondani realizou seu pós-doutorado na Michigan State University, nos Estados Unidos. De volta ao Brasil, foi professora universitária da Universidade do Estado de Santa Catarina (em Lages, SC) antes de ingressar na indústria privada como pesquisadora na área de desenvolvimento de pacotes tecnológicos para produtores integrados. Atuou no Rio Grande do Sul, em Santa Catarina e no Paraná, no setor de produção primária. 

Brondani iniciou suas atividades no Sistema Confea/Crea e Mútua em 2016, quando atuou como inspetora-tesoureira na inspetoria de Santa Cruz do Sul (RS), cidade onde reside com o marido e a filha. Passando pelo cargo de inspetora-chefe, Brondani chegou à coordenadoria do Colégio de Entidades Regionais do Rio Grande do Sul e, mais recentemente, foi convidada para trabalhar no Senado Federal como assessora na coordenação de obras de logística e infraestrutura. Ao site do Confea, ela apontou suas expectativas e prioridades de mandato. Confira:

 
Site do Confea: Quais são suas expectativas e desafios para os próximos três anos?
ABR: 
Tenho grandes expectativas, porque foram longos anos em que a modalidade de Agronomia não teve representação no Confea [pelo estado do RS], em função da rosa dos ventos. Quero contribuir para o Sistema no que se refere a ampliar as atividades de fiscalização e a valorização profissional e das entidades de classe. Portanto, o foco maior das nossas expectativas é atender a demanda dos nossos profissionais, dando suporte para todos os Creas, respeitando as particularidades, mas dando um caráter uniforme do Brasil, além de ampliar o leque de atividades dos nossos profissionais, conectar o nosso sistema com a sociedade e com o Poder Legislativo no sentido de oferecer a garantia da qualidade dos serviços das Engenharias, da Agronomia e das Geociências, com a segurança que só nós, engenheiros, temos como fazer. 

Dentro dessas expectativas, há também o nosso interesse de contribuir com o Sistema, dando mais agilidade no processamento das demandas e no atendimento da sociedade, que clama por um conselho mais ativo e mais interativo. Também atender a toda essa modificação que a sociedade está tendo, por conta do mercado profissional que tem mudado bastante em relação aos profissionais, muitos são jovens e precisam do apoio do Sistema Confea/Crea e Mútua. 

Veja entrevistas de Andréa e de seu suplente, eng. agr. Luiz Cláudio Ziulkoski, concedidas à TV Confea:

Site do Confea: Além dessas demandas que a senhora enumerou, tem alguma específica da realidade gaúcha que a senhora pretende trazer para a esfera nacional?
ABR:
 Bom, nós temos uma demanda muito forte que é a saída dos técnicos, tanto agrícolas quanto industriais, que estão colocando o nosso Sistema sob uma tensão, no sentido em que eles se acham no direito de competir com os profissionais de ensino superior. Então, a valorização desse curso superior é uma das minhas bandeiras aonde quer que eu vá. É um compromisso meu e de todos os nossos profissionais do Rio Grande do Sul que me elegeram e de todos os outros profissionais do Brasil. Ainda mais, uma das principais demandas do Crea-RS é a interatividade e o respeito pelas coordenadorias, como também a transparência e o fluxo de informação de maneira mais dinâmica. 

Site do Confea: A senhora enquanto coordenadora do CDER tem acompanhado os trabalhos do plenário. O que a senhora destacaria como avanço nos últimos anos?
ABR: 
Bom, a atual gestão (também a gestão anterior) valorizou as entidades de classe. O Paraná é líder na valorização de inspetorias e das entidades de classe, um modelo pelo qual tenho muito apreço, respeito e com o qual aprendi muito. Pois, enquanto coordenadora do CDER-RS, tive a oportunidade de ser eleita no Fórum Nacional CDER, que foi uma das inovações que o presidente Joel trouxe para a valorização das entidades de classe. Embora ele não seja como um CDER, esse fórum permitiu muitos avanços para as entidades de classe. E como conselheira federal, estarei buscando mais avanços ainda. Tenho certeza de que terei apoio dos meus colegas conselheiros federais e do presidente Joel Krüger. 

Site do Confea: Além da senhora, outras duas Conselheiras foram eleitas entre titulares e suplentes. Qual é a sua avaliação sobre a importância da representatividade feminina no plenário?
ABR: 
A representatividade feminina no Plenário reflete a nossa sociedade e a nossa categoria profissional. Se nós analisarmos a força feminina na sociedade brasileira, nós sabemos que estamos em torno de 49 a 51% de mulheres que estão ativas no mercado de trabalho, muitas vezes subjugadas a normas que não lhes são as mais pertinentes. Portanto, enquanto conselheira federal, é um compromisso meu buscar apoios às nossas profissionais mulheres no que se refere à igualdade na condução de seu dia a dia como profissional, quer seja no ambiente público ou no Sistema Confea/Crea e Mútua.

Essa nossa representatividade, não é nada mais, nada menos do que uma consequência do que está acontecendo na sociedade. Além disso, ao visitarmos as escolas de Engenharia, Agronomia e Geociências, vemos um aumento muito grande de estudantes mulheres. Vale ressaltar também que eu já tive antecessoras, conselheiras federais mulheres no meu estado, como a engenheira eletricista Nilza Zampieri, que abriu caminhos para mim. Então, não estou inovando, estou seguindo um fluxo natural que outras colegas antecederam. Espero criar caminhos bons, melhores e mais fáceis para as minhas sucessoras. Desse modo, estou a trabalho das colegas, e entendo que nós temos que ser uma sociedade uníssona com respeito a todos. Eu sou pró-diversidade.

Beatriz Craveiro
Equipe de Comunicação do Confea
Fotos: Marck Castro/Confea


Estamos online das 7:30h às 13:30h!